Saiba as impressões da Mundo Livre sobre o show do Metallica

10 de maio de 2022

Neste último sábado nossos radialistas foram conferir de perto o show histórico da banda METALLICA e trouxeram as suas impressões sobre tudo o que rolou desde a abertura dos portões.

O dia começou com a banda Ego Kill Talent, que como já era esperado entregou tudo, com arranjos violentos e que animaram aquele público que já se posicionava para ver de perto da banda principal.

Mas a grande abertura foi por conta da banda GRETA VAN FLEET e segundo o nosso radialista e músico, Harley, ele achou a banda “glamurosa, som de altíssima qualidade que relembrou as bandas doa anos 70, também com grande influência e improvisos usados no BLUES.” Já para a Diana Vieira a banda lembrava muito Led Zeppelin, com uma voz que se aproximava demais a de Robert Plant, ou seja, um som de alta qualidade e que animou o publico para o momento principal da noite.

METALLICA EM CURITIBA

Por Silvia Sprenger

 O show do Metallica em Curitiba foi histórico. Primeira vez dos caras por aqui, mas, como disse o James Hetfield no início do show, nunca é tarde. Foram duas horas em que o público ali presente sentiu todo o peso dos californianos, todos exímios em seus instrumentos. O peso do som, que fazia tudo tremer – fora e dentro do peito – veio junto com uma simpatia e uma atenção com o público que surpreendeu. James conversou com o público em vários momentos, e no final, Lars Ulrich, Kirk Hammett e Robert Trujillo mandaram seus recados ao público. Quem estava bem perto do palco ou prestou atenção no telão, percebeu que o guitarrista Kirk Hammett usava um bottom com a bandeira do Paraná. Um pequeno detalhe que mostrou o cuidado da banda com o seu público. Cuidado esse que estava presente também em detalhes como a arte que a banda fez e postou nas redes sociais com o Jardim Botânico e o clipe mostrado no final do show, nos telões, com imagens de Curitiba, bastidores do show e montagem do palco. Também impressionou o público o espetáculo em si, com o fogo saindo por várias tochas (em Moth Into Flame e Enter Sandman) e esquentando – literalmente – a fria noite curitibana. Os telões mostravam em detalhes os integrantes, tornando a experiência incrível mesmo pra quem estava longe do palco, e também imagens, como em One, com ilustrações de um exército de caveiras marchando numa guerra infelizmente tão atual. Num momento muito tocante, em Fade to Black, James chamou atenção pra depressão. Ele disse pra que aqueles que estão passando por isso, peçam ajuda. Ele disse “se você não está bem, conte pros seus amigos, conte pra sua família. E conte pra mim agora”. Num show tão perfeito, do início ao fim, é até difícil elencar os melhores momentos. Mas dá pra dizer que o público cantando em coro Nothing Else Matters foi um desses pra ficar na história. Sem falar nos brados de “master” em “Master of Puppets”, a última antes do bis. E claro, a apoteose com Enter Sandman fechando o show. Cada fã do Metallica tem seus momentos mais especiais do show pra guardar com carinho e pra sempre na memória. Eu, pessoalmente, que tenho o Metallica como uma das bandas preferidas da vida, escolho Master of Puppets, por ser a minha música favorita e pela comunhão do público naquele momento. E confesso que em Fade to Black tive um momento forte de introspecção. Como se ali eu tivesse me dado conta do que eu estava vivendo e da grandiosidade daquilo tudo. A música tem esse poder. E quando entregue por artistas tão competentes e apaixonados como Lars, James, Kirk e Robert, ganha uma dimensão ainda maior.

 

POR DENTRO NO MUNDO, NO SHOW DO METALLICA.

Por Diana Vieira

No primeiro Por Dentro do Mundo após show do Metallica eu ( Diana Vieira) e os ouvintes compartilhamos nossas impressões sobre o show. Eu que tenho a felicidade de trabalhar numa rádio como a Mundo Livre, que destaca em sua programação as maiores bandas de rock de todos os tempos,  sempre reforço como é importante pra mim vivenciar esses momentos. O show do Metallica foi incrível e muito impactante.
Depois de 40 anos de espera, como o próprio baterista Lars Ulrich frisou no final do show , finalmente os fãs em  Curitiba puderam curtir o primeiro show da banda Metallica, na capital paranaense. O baterista ainda se desculpou pelos dois anos de atraso, por conta do show adiado pela pandemia. Foi  querido demais, assim como todos os integrantes da banda, que  arriscaram uma pronuncia do nome da cidade : Curitiba. Robert Trujillo ainda foi além, dizendo que ” somos foda”. A galera foi à loucura.  Kirk Hammett, que deu um show na guitarra,  se apresentou com um botom com a bandeira do Paraná. Quem estava mais pertinho conseguiu conferir e ainda disputar uma palheta no final.  James Hetfield com sua voz e presença também se comunicou com o público em várias ocasiões, provando ser o baita frontman que a gente quer ver.
Convidei os ouvintes que estiveram no show a compartilharem comigo qual foi o ” ponto alto” do show pra eles. Eu comecei: a execução de The Unforgiven, For Whom the Bell Tolls e Master of Puppets. E claro: Enter Sandman no final, para lavar a alma. Destaque para os telões, que ajudaram muito quem estava mais para trás a aproveitar o show,  as tochas e fogos que completaram o espetáculo muito bem executado pela banda. O ritmo se manteve o tempo todo e não acredito que ninguém, a não ser a tatuadora que entrou em trabalho de parto durante o show, tenha se desligado da apresentação por um minuto sequer.
Algumas mensagens de ouvintes sobre o show:
 
Aderlei Estevao da Silva
Diana, boa tarde !!!! A Greta foi demais. Pena que não incluíram You’re the One na Set List… Quanto ao Metallica, tô anestesiado até agora. O Respeito e a cordialidade deles para com o público foi surpreendente.
=
Paula Tramujas
Pra mim, Enter Sandman foi o auge!! Tô com o pescoço doído até hj de tanto sacudir…
As chamas aqueceram a noite fria cantamos TODAS as músicas!!! Foi sensacional!!!
==
Boa tarde, galera da Mundo!
Difícil elencar uma música apenas, todas foram excelentes com apresentações impecáveis.
Agora é aguardar Iron e Guns que já estou com ingressos garantidos.
Gilson da Lapa.
==
Pulei como louco em whisky in the jar! Extasiado até agora
André Bonfanti – pilarzinho
==
Angela Ikeda
Oi Diana!
Eu consegui ingresso na última hr, tinha comprado, vendido e comprei de novo! Ainda bem q consegui pq foi sensacional!! Pra mim, a melhor foi “nothing else matters”
==
Paulo Monteiro
Boa tarde Diana.
Ponto alto para mim foi quando James mandou uma mensagemantes e Fade to Black para quem tá depressivo e foi muito certeira. Pra mim, minha esposa e meus amigos. Peçam ajuda, contem para seus amigos, familiares. Não sofram sozinhos.
=
Fábio Augusto motorista de app
Boa tarde Diana
O meu ponto alto do show de sábado foi que, há 12 anos  fui ao meu primeiro grande show internacional com o Metallica, e nesse sábado levei minha filha de 13 anos ao seu primeiro grande show internacional, ela ficou encantada, agora é segurar a vontade dela de ir em mais shows kkkkkkk
==
Nyca Baniski
Diana o melhor foi eles retornando pro palco quando a galera está vindo embora não tem preço essa atenção pro público
==
Alisson
Salve, Diana!
O show do Metallica foi excelente!
“For whom the bells tolls”, “Battery” e “Moth into flame” animaram nosso mosh suave. Hahaha
Já garanti meus ingressos para o Angra e para o Iron!! Uhuuuu!! Esse ano tá massa!!
Abraços do Alisson
==
Marcos Eduardo Pondelek
Fui no Show e eu sempre quis participar do coro no final de  The Memory Remains e no meio da música Creeping Death , sonho realizado- Marcos Pondelek
==
Caroline Pereira Kuss
O ponto alto do show do Metallica pra mim foi fazer um coração para o James e ele responder mandando um beijo! eu estava na grade da pista premium e foi incrível demais!
==
Fernanda Muniz mandou  audio: Disse que a entrada da banda no palco foi muito emocionante porque o filho dela Caio  caiu no choro e ela também. Outro ponto alto foi One, e o final do show com os fogos .
==
Rafael Abreu
Boa tarde Mundo Livre. Diana!!!
O que foi o Show do Metallica. Foi demais!
Certeza que não deixou a desejar pra ninguém  na noite de sábado.
A música ONE pra mim foi diferenciado… com.lasers,.bombas,  fogo!!! Uaaallllll demais!!!!
==

Setlist de Curitiba: 

Whiplash (Kill’ em All) 

Ride the Lightning (Ride the Lightning) 

The Memory Remains (Reload) 

Seek & Destroy (Kill’ em All) 

Moth Into Flame (Hardwired…to Self Destruct) 

One (And Justice for All) 

Sad but True (Black Album)  

Whiskey in the Jar (Garage Inc.) 

Thelbum)  Unforgiven (Black Album) 

For Whom the Bell Tolls (Ride the Lightning) 

Creeping Death (Ride the Lightning) 

Fade to Black (Ride the Lightning) 

Master of Puppets (Master of Puppets) 

Bis: 

Battery (Master of Puppets) 

Nothing Else Matters (Black Album) 

Enter Sandman (Black A

hash track

Peça seu som e ouça no Hashtrack!

Exemplo:
Artista: Neil Young
Música: Rockin' In The Free World
#Esse som é muito marcante pra mim porque foi o primeiro que rolou na minha programação.

Aplicativo

Você pode ouvir a rádio Mundo Livre direto no seu smartphone.

Disponível no Google Play Disponível na App Store

2022 © Mundo Livre FM. Todos os direitos reservados